Blogs

Culpar Neymar por apanhar é a vitória de quem odeia futebol

Em uma época que, corretamente, nos policiamos para nunca culpar a vítima em situação alguma, ousar atribuir culpa a Neymar pelas entradas violentas sofridas no campo é culpar a vítima

Por Vitor Sérgio Rodrigues

Se alguém está errado por cenas assim, não é a vítima

Se alguém está errado por cenas assim, não é a vítima

Saber jogar futebol é um dom. E falo isso com inveja, pois eu não tenho esse dom. Queria ter, mas não tenho. Ter visto tantos jogadores que sabiam jogar tanto que conseguem encantar é o principal motivo por eu gostar tanto de futebol. A ponto de ter construído minha vida falando e estudando sobre ele. Ter pessoas com o dom de jogar futebol, mais do que qualquer esporte, é uma das razões o status que essa modalidade atingiu no mundo. Por isso, vejo como a falência do futebol ousarem culpar quem tem o dom de jogar.

É exatamente isso que Neymar vem sofrendo há quase dez anos. A cada ausência do atacante do PSG de um jogo importante é comum ouvirmos ou lermos alguém apontando o dedo para o “estilo de jogo” do brasileiro. O próprio Neymar levantou essa bola no desabafo feito no Instagram nesta quinta-feira, após ter a confirmação de que ficará fora de um jogo decisivo da Liga dos Campeões, contra o Barcelona, na próxima terça-feira. Ao dizer que “ às vezes eu me sinto incomodado pelo meu estilo de jogo, por eu driblar e acabar apanhando constantemente, não sei se o problema sou eu ou que faço em campo”, Neymar coloca em dúvida o dom que ele tem: jogar muito.

Não há nenhum cabimento em querer culpar Neymar por ele apanhar dentro de um campo de futebol, como na entrada fortíssima sofrida contra o Caen pela Copa da França, que como consequência gerou a lesão muscular no adutor da perna esquerda. Neymar tem zero culpa disso. Em uma época que, corretamente, nos policiamos para nunca culpar a vítima em situação alguma, ousar atribuir culpa a Neymar pelas entradas violentas sofridas no campo é culpar a vítima. É a vitória da barbárie, da ignorância. Quem deve ser cobrado por isso é quem pratica a violência, não quem sofre.

O futebol que eu amo, defendo e penso não pode aceitar que alguém que sabe jogar tenha limitações ao expressar seu dom. “Mas Neymar não deveria driblar no meio-campo, tem que ser objetivo...” ou “O Neymar dribla quando está ganhando, por que não faz isso quando está 0 a 0?”. Frases desse tipo são revoltantes e revelam traços claros de quem odeia a essência do futebol. Eu penso futebol de uma forma simples: quem tem o dom, faz. Quem não tem, aplaude ou se esforça para lidar com isso. E se usar violência, tem que ser punido. Como manda a regra do jogo.

Neymar, o que você faz em campo não é problema. É dom. Não coloque isso em dúvida. O que tem que mudar não é o seu estilo. O que tem que mudar é a cobrança em cima de árbitro que não aplica a regra do jogo e permite intimidação a quem tem talento. Está claro que Neymar tem sofrido com isso constantemente. Ele não é o culpado.

Comentários