Blogs

EXCLUSIVO: Jogadora do Corinthians, Ingryd conta sobre experiência de mais um título pela equipe paulista

A atleta que quase ficou fora da final do Brasileirão 2021, contra o Palmeiras, deu detalhes do momento que viveu e como a experiência de um Derby decisivo marcou sua carreira

Por Ludmilla Florencio

Ingryd com a taça do Brasileirão 2021(Marco Galvão/ Agência Corinthians)

Ingryd com a taça do Brasileirão 2021 | Marco Galvão/ Agência Corinthians

Cinco títulos pelo Corinthians em três temporadas (2019 - até o momento). Esse é o currículo de Ingryd Lima, de 23 anos, que atua como meio-campista na equipe feminina do clube paulista.

Atual campeã do Campeonato Brasileiro de 2021, a atleta bateu um papo com a TNT Sports e contou um pouco sobre sua carreira, a experiência de mais uma final, a decisão inédita marcada por um confronto diante do Palmeiras e as suas expectativas para o futuro. 

Vinte e três anos e cinco títulos pelo Corinthians. Essa história começou em 2019, tecnicamente, é recente... Como você encara esse retrospecto, apesar de ser tão nova ainda? 

Pra falar a verdade, às vezes, não acredito que estou vivendo tudo isso. É coisa de outro mundo, eu não imaginava estar no Corinthians e viver tudo que estou vivendo. Mas agora a cada título é como se fosse o primeiro, o sentimento é incrível! 

Você teve uma entorse que quase tirou a possibilidade de jogar na final. O que passou na sua cabeça a respeito disso? Como foi o processo de recuperação?

Quando aconteceu eu chorei muito, pela dor que senti e pela possibilidade de não jogar a final. A médica e os fisioterapeutas me ajudaram muito, estavam comigo em todos os momentos. Quando escutava deles sobre os exames,  me dava uma aflição e ao mesmo tempo um alívio por não estar sentindo tanta dor nos dias seguintes. Cuidei e vi que tinha uma grande chance de estar na final, em campo. Fiquei mais ainda feliz por conseguir tudo isso e ter sido titular! 

No futebol feminino, existe uma rivalidade com outras equipes e não com o Palmeiras, mas o Derby, para história do clube, é sempre muito esperado. Diante disso, qual foi a orientação para essa final inédita e que entrou para história? Pelo investimento e mudanças que está ocorrendo na outra equipe, acredita que o Derby feminino será visto de outra maneira nos próximos confrontos?

Agora o Derby vai ser considerado um dos maiores clássicos no futebol feminino, sem dúvidas! Pela história que já vem do masculino e por tudo que estamos construindo. No dia da final, a ansiedade apareceu bastante, por ser um Derby, por tudo que o Corinthians estava fazendo e por ser uma final inédita. Mas, o Arthur nos passou uma tranquilidade maravilhosa durante o dia todo. 

Ingryd sobre o gol olímpico que marcou diante do Palmeiras, no Brasileirão de 2020

 

O meio de campo do Corinthians é muito forte. Além de você, temos a Grazi, a Zanotti, a Vic. Albuquerque, Juliette, Diany, Andressinha... como é essa relação entre vocês e como trabalham essa parceria para desenvolverem o melhor para equipe? Quais são as orientações do Arthur?

Nossa relação é sempre ajudar uma a outra, independente de quem jogue ou não. Sabemos que no Corinthians tem uma rodagem em que todo mundo sempre vai estar atuando, então sempre que possível a gente se ajuda. Arthur sempre orienta todas da mesma forma possível! 

Ingryd sobre a experiência de vestir a camisa do Corinthians e o quanto ela 'pesa':

 

 

Foi mais um título do Corinthians em que, infelizmente, a torcida não esteve presente. Nos últimos anos, vimos uma crescente da torcida nos estádios, acompanhando vocês. Qual a expectativa para essa volta?

Depois que conquistamos o título, estávamos falando sobre isso, sem dúvidas alguma se já estivesse liberado as torcidas iria lotar e seria uma festa mais linda ainda. Estamos aguardando essa liberação e, com certeza, teremos jogos incríveis com a presença da torcida. 

Vocês foram campeãs da Libertadores em 2019, perderam em 2020. Como a experiência do passado prepara para este torneio? 

Sempre fica um gostinho de quero mais, e é assim que estamos para a próxima. Começamos muito bem na Liberta de 2020 e tivemos a infelicidade de não concluir da melhor forma. Agora, estamos prontas para a próxima e as adversidades que possam vir! 

Corinthians teve algumas baixas nessa temporada, como a Giovanna Crivelari e a Gabi Nunes. Falando de carreira, visibilidade e sonhos: você pretende sair do clube em algum momento? Há o sonho de vestir a camisa de algum clube europeu? Recebeu propostas para isso? Como lida com essa expectativa?

Realizo diversos sonhos vestindo a camisa do Corinthians e sou muito feliz com isso. Mas, almejo outras coisas também, como vestir camisa de clubes da Europa. Eu prefiro esperar o momento certo, como foi o da Nunes e o da Crive! Vou sempre tentar tomar a melhor decisão possível. 
 

Recado da jogadora à torcida:

 
Comentários