Blogs

Neymar e o 'looping' de perder a razão no futebol francês

Mudar é uma bola que está com Neymar. Na quarta-feira, ele enfrenta o Bayern de Munique pendurado. Tudo que Neymar não pode é ficar fora de um jogo decisivo do maior torneio do mundo pela incômoda rotina de perder a razão

Neymar e o 'looping' de perder a razão no futebol francês

Neymar e o 'looping' de perder a razão no futebol francês

A mais nova expulsão de Neymar pelo PSG traz a inconveniente rotina do brasileiro no futebol francês: a de perder a razão. Fim de jogo contra o Lille, com o PSG perdendo em casa por 1 a 0. Neymar sofre uma falta na ponta esquerda. O autor da falta, Djaló, segura a bola para impedir a cobrança rápida. Isso, por si só, é cartão amarelo automático (mesmo que a maioria dos árbitros não cumpra). Até esse momento, Neymar tinha a razão. E a perdeu cinco segundos depois...

O empurrão de Neymar em Djaló, que caiu e valorizou muito, é uma atitude de cartão amarelo. Como ele já tinha, foi expulso. No primeiro jogo como titular em dois meses, após se recuperar de lesão. Está fora do próximo jogo, em um Francês que está complicado. Para piorar, ao deixar o gramado, quis brigar com Djaló, que também foi expulso, e foi contido por seguranças no túnel que leva aos vestiários. Com várias câmeras filmando. Acabou de pulverizar a razão que ele tinha quando tudo começou.

Eu tenho a percepção de que há um clima no mínimo hostil para Neymar no futebol francês, fora dos limites do PSG. Também tenho noção de que é muito difícil se controlar em muitos momentos. Mas a questão evidente é que Neymar precisa parar de perder a razão em conflitos assim. Ou ele será sempre prejudicado, dentro e fora do campo com isso. Na semana que vem, ninguém vai falar que o Djaló desfalca o Lille. Mas todos repercutirão, até a exaustão, que Neymar não estará a serviço do PSG. De novo.

Parar de perder a razão em momentos de conflitos e quase sempre sendo provocado é muito difícil. E digo isso porque eu tomei a decisão de mudar na forma como uso as mídias sociais há uns oito anos. Parei de cair em provocação, parei de ligar para ofensas, passei a ignorar imbecis. Minha vontade em muitas vezes é responder com um xingamento. Mas se eu o fizer, perderei a razão e, na repetição disso, perderei meu emprego. Tinha como opção fechar minhas redes sociais. Mas não era solução em um mundo como o atual. Só me sobrou mudar. Hoje, eu ignoro quem me provoca. E só ganhei com isso.

Nunca é tarde para mudarmos a nossa vida. Essa é uma bola que está com Neymar. Na quarta-feira, ele enfrentar o Bayern de Munique pelas quartas-de-final da Champions League pendurado com dois cartões amarelos. Se levar mais um, fica fora do jogo da volta. Ou se levar cartão no jogo da volta, fica fora da primeira da semifinal, caso o PSG passe. Tudo que Neymar não pode é ficar fora de um jogo decisivo do maior torneio do mundo pela incômoda rotina de perder a razão.

Comentários