Blogs

VSRanking Escrito: Os 10 clubes da década no Brasil

Polêmica lista da IFFHS dos times da década que terminou motivou a nova edição do VSRanking Escrito, que teve um resultado bem diferente...

Por Vitor Sérgio Rodrigues

Seis clubes brasileiros ganharam a Libertadores na década e isso teve peso no ranking

Seis clubes brasileiros ganharam a Libertadores na década e isso teve peso no ranking

A possante Federação Internacional de Futebol, História e Estatística (IFFHS) deu o que falar nesta semana com uma lista em que elencou os melhores times de futebol do mundo na última década. O Barcelona liderou o levantamento, deixando Real Madrid e Bayern de Munique para trás. Mas este post é para analisar de forma mais atenta a colocação dos clubes brasileiros.

Segundo a IFFHS, o Grêmio foi o melhor clube brasileiro (e também sul-americano) na década, com 1895 pontos. Depois vieram Flamengo, Corinthians, Atlético Mineiro e Palmeiras (sexto, sétimo, nono e décimo, respectivamente, no futebol sul-americano). Daí surgiu a ideia de fazer um VSRanking sobre o tema, já que tenho muita dificuldade de entender essas colocações atribuídas pela IFFHS, que leva apenas os pontos obtidos em competições nacionais e internacionais nesse período. Acho que é reduzir muito o que foi apresentado ao longo de dez anos.

Valem duas explicações para entender como eu cheguei à lista: a década é de 2011 a 2020 e os títulos e o peso deles são importantes para a colocação final, mas não são tudo. Levei em conta também a relevância do clube no período, a consistência em brigar por títulos, a construção de ídolos, o crescimento das marcas, a dificuldade para obter os resultados, rebaixamentos, por exemplo.

10) Chapecoense – Escalou as divisões inferiores, se estabeleceu na Série A, foi campeã da Copa Sul-Americana, se classificou para a Libertadores no ano seguinte após perder seu time naquele trágico acidente de avião, foi rebaixada e voltou no ano seguinte como campeã da Série B.

9) Fluminense – Foi um time que sempre brigou pelos principais títulos na primeira metade da década, sendo campeão brasileiro em 2012. Depois da saída da Unimed, seu principal patrocinador, entrou em uma grande dificuldade financeira e perdeu competitividade. Só não foi pior porque tem uma ótima divisão de base que abastece o time principal.

8) Athletico – Apesar de ter sido campeão brasileiro na década anterior, em 2001, esta foi a década da consolidação do Furacão, apesar de ter iniciado com um rebaixamento em 2011. Após voltar à elite, passou a incomodar os principais times do Brasil e brigar na parte de cima da tabela. Ganhou uma Copa Sul-Americana, uma Copa do Brasil, se impôs no Campeonato Paranaense com um time sub-23.. Além disso, modernizou seu estádio de forma espetacular, recebendo jogos da Copa do Mundo.

7) Cruzeiro – Bicampeão brasileiro de forma dominante em 2013 e 2014, o Cruzeiro terminou a década rebaixado para a Segunda Divisão e sem conseguir retornar à Série A (o primeiro clube desse tamanho a não conseguir voltar nos pontos corridos). Isso pesou demais na minha avaliação. O clube virou um caos com gestões temerárias e também sendo vítima de desvio de dinheiro, que resultaram nessa situação, mas antes ainda conseguiu vencer duas Copas do Brasil.

6) Atlético Mineiro – O Galo teve uma década muito feliz, com o histórico título da Libertadores e um inesquecível título da Copa do Brasil em cima do rival. A equipe ainda foi duas vezes vice-campeã brasileira e uma vez vice da Copa do Brasil, mas pelo nível de investimento que teve ao longo desse período, poderia ter brigado por mais títulos.

5) Santos – Em termos de título grande, tem o espetacular título da Libertadores de 2011, na coroação de mais uma geração de Meninos da Vila, com o protagonismo de Neymar. E é esse nome que faz com que o Peixe esteja nessa colocação. Ter mantido Neymar até o meio de 2013 fez com que o Santos crescesse muito entre os jogos, tivesse muita repercussão e de valor, embora isso não tenha se traduzido em títulos (perder Neymar para a seleção brasileira a todo momento atrapalhou demais...). Após a saída de Neymar, a base do Santos continuou mantendo a equipe competitiva, mas o clube ficou batendo na trave: vice da Copa do Brasil, vice do Brasileiro duas vezes e vice da Libertadores.

4) Grêmio – O clube gaúcho conviveu com um incômodo jejum de títulos até o meio da década. Depois, com a chegada de Renato Gaúcho, ganhou taças, passou a brigar pelos principais títulos e jogou um futebol marcado pela qualidade. A Copa do Brasil em 2016 e a Libertadores em 2017 foram muito marcantes e mudaram o rumo do clube. Três semifinais seguidas de Libertadores é algo muito difícil e impactante.

3) Palmeiras e 2) Flamengo – Não tem como analisar Palmeiras e Flamengo nesta década de forma isolada. A trajetória dos dois é muito parecida. Clubes em situação delicada dentro e fora do campo nos primeiros anos da década. Ambos ganharam uma Copa do Brasil de forma meio inesperada (2012 e 2013), o Palmeiras teve um rebaixamento e o Flamengo fez várias campanhas de rebaixado, até começaram a se recuperar fora do campo. O reflexo em campo veio mais cedo no Palmeiras (com a Copa do Brasil de 2015), demorou um pouco mais no Flamengo, mas no geral os dois terminaram a década muito fortes, sempre brigando por títulos, muito vitoriosos, com dois Brasileiros e uma Libertadores (o Palmeiras ainda ganhou outra Copa do Brasil). O balanço da década dos dois é muito parecido (colocando o rebaixamento na conta) e o meu desempate se deu pelo fantástico futebol que o Flamengo de 2019 praticou. Por isso o Fla ficou em segundo na minha avaliação.

1) Corinthians – Em qualquer aspecto, o time da década no Brasil. O que ganhou mais títulos importantes: Mundial, Libertadores (invicto) e três Brasileiros. Foi o clube que ficou entre os primeiros por mais tempo. Foi o time que mais teve um modelo de jogo claro. Esse modelo levou dois técnicos à seleção brasileira. E também conseguiu agradar muito pelo futebol jogado pela equipe de 2015. Por isso tudo, a segunda década do século 21 no futebol brasileiro foi do Corinthians.

Comentários