Futebol Brasileiro

Dedé revela sondagens e diz que jogaria no Flamengo: 'Só maluco negaria'

Zagueiro de 33 anos de idade está atualmente sem clube e se recuperando de lesão no joelho

Avatar del

Por Redação da TNT Sports

Último clube de Dedé foi o Cruzeiro(2019 Getty Images)

Último clube de Dedé foi o Cruzeiro | 2019 Getty Images

Aos 33 anos, o zagueiro Dedé vive a pior fase de sua carreira. Sem entrar em campo desde o dia 19 de outubro de 2019 - portanto há quase dois anos -, o defensor segue se tratando de uma grave lesão no joelho. Uma das equipes que se disponibilizaram a recuperá-lo foi o Flamengo, rival vascaíno, onde foi praticamente forjado no futebol.

"Não é um namoro, mas uma troca de mensagens, até com relação à minha recuperação ali no Flamengo. Pelo amor de Deus, quem não teria interesse em jogar no Flamengo? Como em vários outros times grandes do Brasil. Eu passei pelo Vasco, todo mundo sabe do carinho que eu tenho pelo Vasco, gratidão por tudo, mas eu sou profissional", comentou Dedé, em entrevista ao podcast 'Flow Sport Club'.

Você jogaria no Flamengo? Pode perguntar para qualquer um. Só um maluco negaria pela estrutura que hoje o clube fornece", continuou o zagueiro.

Dedé ainda revelou uma conversa com Rodrigo Caetano, diretor de futebol do Atlético Mineiro, que também sugeriu a ida do veterano para se tratar na Cidade do Galo.

"Não conversei com o clube em si, mas com o Rodrigo Caetano, que é meu amigo, e ele me perguntou como eu estava, e se eu queria ir para lá se recuperar. Queria fazer um projeto. 'Ah, se der certo, você já vai estar aqui'", disse, revelando também uma sondagem do Internacional.

"Sondagens de times, mas com esse receio da minha lesão, como os meus empresários tiveram comunicado do Inter. Mas, assim, isso não é uma proposta. Era só os caras lembrando: 'olha lá como está o Dedé'", finalizou.

Dedé está atualmente sem clube após rescindir seu contrato com o Cruzeiro. O atleta e seus advogados, aliás, cobram os mineiros na Justiça R$ 330 milhões de indenização pela quebra unilateral do vínculo.

Comentários