Futebol Brasileiro

STJD multa Botafogo por discriminação contra assistente

Katiuscia Mendonça ouviu gritos machistas das arquibancadas alvinegras

Avatar del

Por Redação da TNT Sports

Alguns torcedores do Botafogo foram preconceituosos com assistente em partida da Série B(Thiago Ribeiro/Agif/Gazeta Press)

Alguns torcedores do Botafogo foram preconceituosos com assistente em partida da Série B | Thiago Ribeiro/Agif/Gazeta Press

O Botafogo foi julgado pelo Superior Tribunal de Justiça Despotiva (STJD) por conta da atitude de alguns torcedores na partida contra o Brusque, na Série B do Brasileirão. O clube foi denunciado por discriminação contra Katiuscia Mendonça, assistente no jogo. A equipe foi enquadrada no artigo 243-G do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD) e o julgamento aconteceu nesta segunda-feira (29).

Segundo o artigo, a multa poderia ser de 100 a 100 mil reais, mas o clube alvinegro foi multado em 10 mil reais. A decisão cabe recurso e pode chegar ao Pleno, última instância nacional.

O jogo foi válido pela 31ª rodada, e segundo a súmula do juiz da partida, a assistente foi ofendida por torcedores alvinegros  na saída do campo para o intervalo.

Ao sair do campo do jogo no intervalo da partida a torcida de equipe mandante gritou em direção a assistente Katiuscia Mendonça repetidas vezes a palavra ''p*, p*, p*'. Ao término da partida o presidente do Botafogo FR, senhor Durcesio Mello, se dirigiu até a assistente com um pedido formal de desculpas através de uma carta relatando que o Botafogo FR não compactua das ofensas proferidas pelos torcedores”, diz a súmula.

De certa forma, a equipe carioca que foi campeã da Série B saiu 'no lucro', já que no artigo também consta que o clube poderia ser punido com a pena de três pontos na tabela, além da multa. No entanto, mesmo que isso acontecesse, o time continuaria com a taça de campeão, já que teve cinco pontos de sobra para o Goiás, vice-campeão com 65 pontos.

"Art. 243-G. Praticar ato discriminatório, desdenhoso ou ultrajante, relacionado a preconceito em razão de origem étnica, raça, sexo, cor, idade, condição de pessoa idosa ou portadora de deficiência:

Parágrafo 1º Caso a infração prevista neste artigo seja praticada simultaneamente por considerável número de pessoas vinculadas a uma mesma entidade de prática desportiva, esta também será punida com a perda do número de pontos atribuídos a uma vitória no regulamento da competição, independentemente do resultado da partida, prova ou equivalente, e, na reincidência, com a perda do dobro do número de pontos atribuídos a uma vitória no regulamento da competição, independentemente do resultado da partida, prova ou equivalente; caso não haja atribuição de pontos pelo regulamento da competição, a entidade de prática desportiva será excluída da competição, torneio ou equivalente.

Parágrafo § 2º A pena de multa prevista neste artigo poderá ser aplicada à entidade de prática desportiva cuja torcida praticar os atos discriminatórios nele tipificados, e os torcedores identificados ficarão proibidos de ingressar na respectiva praça esportiva pelo prazo mínimo de setecentos e vinte dias.", diz o regulamento.

Comentários