Melhor Futebol do Mundo

Jornal crava acerto para compra do Newcastle por consórcio da Arábia Saudita

Clube da Premier League deve ser vendido por 300 milhões de libras; negócio tem repercussão negativa

Avatar del

Por Redação da TNT Sports

Newcastle não vive boa fase em campo, sendo o vice-lanterna da Premier League(Jack Thomas/WWFC/Wolves via Getty Images)

Newcastle não vive boa fase em campo, sendo o vice-lanterna da Premier League | Jack Thomas/WWFC/Wolves via Getty Images

A venda do Newcastle United, da Inglaterra, a um consórcio financiado pelo governo da Arábia Saudita deve, enfim, acontecer. A negociação ficou emperrada pelos últimos três meses, mas segundo o jornal 'The Guardian', os problemas foram resolvidos e a aquisição deve sair do papel.

O consórcio da Arábia Saudita vai pagar 300 milhões de libras (R$ 2,2 bilhões) para comprar 80% do Newscastle. Os 20% restantes ficarão divididos igualmente entre os bilionários irmãos Simon e David Reuben e a empresa PCP Capital Partners, de Amanda Staveley, que deve ser a nova CEO do clube inglês caso a aquisição, de fato, ocorra.

A principal mudança que fez o negócio andar e possivelmente ser aprovado já nos próximos dias foi a permissão do governo saudita para que a emissora 'BeIN Sports', uma das principais investidoras em direitos da Premier League, possa voltar a operar no país, assim como uma promessa de um mais rigoroso combate à pirataria.

Além disso, um possível compromisso do consórcio para que o príncipe-herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, não participe das decisões de dia a dia do clube inglês após a aquisição. Justamente por isso Amanda Staveley deve ser nomeada como CEO, segundo o jornal britânico.

Atualmente, o Newcastle ocupa a vice-lanterna da Premier League, somando apenas três pontos nas primeiras sete partidas da temporada 2021/2022.

NEGÓCIO TEM REPERCUSSÃO NEGATIVA

Tramitando há alguns meses na Inglaterra, a aquisição do Newcastle pelo consórcio financiado pelo governo da Arábia Saudita tem enorme repercussão negativa no Reino Unido e mundo afora, principalmente em grupos de defesa a direitos humanos, que denunciam Mohammed bin Salman de suprimir direitos civis e até mesmo assassinar jornalistas opositores.

O serviço de inteligência dos Estados Unidos reportou, em fevereiro deste ano, que o plano para "capturar ou matar" o jornalista saudita Jamal Khashoggi foi aprovado pelo príncipe herdeiro. Khashoggi foi assassinado no consulado da Arábia Saudita na Turquia. O governo saudita respondeu alegando que a acusação é "negativa, falsa e inaceitável".

A tentativa de compra do Newcastle é apontada como uma tentativa de "sportswash", cuja intenção é transmitir uma imagem positiva através de altos investimentos em equipes esportivas.

Comentários